Uma ferramenta que utilizo sempre nos processos de Coaching é o Cinecoaching, que consiste na tarefa de assistir a um determinado filme adotando uma postura de aluno, ou seja, focado em compreender as mensagens nele transmitidas. O filme permite trabalhar a continuidade do aprendizado de maneira lúdica, seja pelos atores, roteiro, pela identificação com os personagens, trilha sonora ou por seus efeitos especiais, o filme chama a atenção, transmite mensagens, nos convida à reflexão e à mudança de formas de pensar, agir e ver o mundo. Ao assistir à história dos personagens, o coachee pode relacioná-las com a sua história de vida e com os ensinamentos do Coaching, e ao discutir suas análises com o coach, cria-se um cenário transformacional.

Filme Divertidamente - coaching
Crédito das imagens: Disney/Pixar (Imagens Google)

Analisando o filme “Divertidamente”, notei que representou as estruturas, os componentes e o funcionamento do cérebro, contendo muitos conhecimentos de neurociência, psicologia e psiquiatria. Inicialmente vemos representadas as cinco emoções básicas: alegria, tristeza, medo, nojo e raiva, que se encontram no centro de comando do cérebro. Cada uma delas é importante para manter a sobrevivência e a saúde mental do ser humano – o medo e o nojo sinalizam situações de perigo, a raiva expressa indignação e a noção de injustiça e, finalmente, a alegria e a tristeza sempre requisitadas para o enfrentamento das situações e conflitos diários. Sendo assim, todas as emoções têm o seu valor e a sua função, devendo estar em equilíbrio, de forma que cada uma possa ser empregada conforme a circunstância demandar.

Particularmente fiquei encantada com a representação da formação das memórias base, as mais importantes que moldam um aspecto da personalidade; das ilhas de personalidade, que fazem da pessoa o que ela é; da consolidação das memórias de longo prazo; do esquecimento das memórias que deixam de ser utilizadas; do papel da emoção na fixação das memórias, do retrato do inconsciente e da formação onírica. Tudo isso ajuda muito no entendimento do funcionamento cerebral para compreender como ele se equilibra dinamicamente e como isso reflete no equilíbrio emocional da pessoa, que por sua vez é indispensável para o desenvolvimento da alta performance do Coaching.

Através de um enredo lúdico, foi retratado como as emoções interferem na percepção da realidade, nos nossos comportamentos e nas nossas memórias, dando significados diferentes para a mesma situação conforme os valores e a emoção dominante no comando cerebral. Notamos isso na cena da discussão à mesa entre o pai e a menina, quando a raiva da menina ativou a raiva do pai, que grita com ela e a coloca de castigo, então na cabeça do pai isso significou uma intervenção assertiva e já para a mãe, um desastre. Associamos isso à importância dos significados pessoais, do autoconhecimento e do controle emocional.

Tristeza e alegriaCrédito das imagens: Disney/Pixar (Imagens Google)

Grande aprendizado também estava contido na relação entre a tristeza e a alegria, tendo em vista que inicialmente a alegria não entendia a importância da tristeza e queria evitar a todo custo que ela pudesse interferir nas vivências da menina. No final do filme, vimos que quando a menina conseguiu expressar sua tristeza aos pais e chorar, pôde superar aquele estado de sofrimento e seguir; quando expressou o que sentia, sua vulnerabilidade, conseguiu lidar com o sofrimento e recebendo o apoio dos pais, que também passavam pelas mesmas dificuldades de adaptação, se fortaleceu.

Não se deve negar as dificuldades e sofrimentos, pois é somente quando permitimos a manifestação da tristeza, que conseguimos chorar, expressá-la, refletir sobre, que suportamos os problemas e os ressignificamos, conseguindo assim superá-los e aprender com eles. Faz sentido para você que é a partir dos momentos difíceis e doloridos que desenvolvemos habilidades e nos tornamos mais fortes e capazes?